Estudos e Pesquisas



Modelo fluvial

O DAEE tem uma diretoria especializada em pesquisa de tecnologia hidráulica, o Centro Tecnológico de Hidráulica que realiza estudos em modelos reduzidos de obras fluviais, marítimas, e atua nas áreas de hidromecânica, hidráulica fluvial e marítima e modelação matemática aplicada aos problemas hidráulicos.

Na área de modelos reduzidos de obras hidráulicas o CTH já desenvolveu estudos sobre inúmeras estruturas hidráulicas de barragens e de obras costeiras. No caso das barragens, os modelos servem para estudos a partir do instante inicial de fechamento do rio, quando se definem o material das ensecadeiras, com o lançamento das mesmas até o detalhamento das estruturas hidráulicas do "corpo" da barragem. Através de ensaios simula-se o comportamento das estruturas em escala reduzida e se avalia o projeto.

Os modelos de obras marítimas, são reproduzidos também em escala reduzida. Os estudos de interesse são: portos, com definição da região de abrigo para atracação das embarcações, processos de assoreamento de portos e canais de acesso, evolução das praias, dispersão de poluentes, quebra-mares etc.

Na área de morfologia fluvial, os estudos de evolução do leito móvel são muitas vezes realizados em modelos e em protótipos. Retificações de cursos d'água, fenômenos de assoreamento, transporte sólido em suspensão, problemas de dragagens, fixação de leito de rios, proteção de margens, são alguns dos estudos de interesse desenvolvidos nessa área.

A área hidromecânica abrange estudos tanto de modelos reduzidos dos equipamentos como também do próprio equipamento da obra. Dispondo de instalações bastante amplas, com instrumentos sofisticados, como "túnel de cavitação", canal hidrométrico, bancos de ensaios de bombas e outros dispositivos hidrométricos, o CTH pode participar junto com entidades públicas e privadas no desenvolvimento de estudos correlacionados com esta área.

A área de hidrologia do CTH responsabiliza-se pelo planejamento e operação das redes hidrológicas do DAEE, no Estado de São Paulo, através de modernos sistemas de análise e processamento. As redes em operação são: pluviométrica, pluviográfica, fluviométrica, fluviográfica, sedimentométrica e hidrometeorológica. Mais recentemente o DAEE desenvolveu através do CTH uma rede telemétrica de hidrologia para controle de toda a bacia do Alto Tietê, com postos hidrológicos situados em pontos estratégicos e com transmissão imediata desses dados para um centro de computação, que permite uma correta operação dos reservatórios da bacia e maior controle das condições de escoamento no leito do rio. O CTH opera ainda o radar metereológico de São Paulo que é ferramenta importante na previsão de chuvas e suas consequências.


Modelo marítimo - Itanhaém S.P.

Na área da hidrografia fluvial e marítima, o CTH dispõe de equipes técnicas preparadas para dar apoio a realização de trabalhos de topografia e batimetria, acompanhamento de processos de evolução de fundos e margens (assoreamento de canais, modificações de praias, erosões de margens), estudos de ondas de enchentes e marés, dentre outros, com equipamentos específicos de alta precisão.

Finalmente, a área de modelos matemáticos desenvolve estudos buscando soluções analíticas para propagação de cheias em canais e rios, e difusão de poluentes e difusão térmica em corpos d'àgua. Em alguns problemas há a interação de dados hidrológicos e hidráulicos, trabalho este onde a modelação matemática apresenta bastante facilidade operacional

Os modelos reduzidos permitem antever eventuais problemas e
apresentar soluções antes do início das obras.