Desassoreamento do rio Cabuçu de Cima segue em ritmo acelerado



Desassoreamento do rio Cabuçu de Cima - Vista a jusante da rua Alberto Ferreira Lopes


O DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) já removeu mais de 50% do volume de sedimentos depositados no fundo do canal do rio Cabuçu de Cima, no trecho entre a Ponte da Rodovia Dutra até à foz do Córrego Piqueri. O rio Cabuçu de Cima marca a divisa dos municípios de São Paulo e Guarulhos.

O DAEE está investindo R$ 1,5 milhão no desassoreamento do Cabuçu de Cima. As máquinas começaram a dragagem em junho e a previsão é concluir o trabalho em dezembro . O contrato prevê a dragagem de 18,5 mil metros cúbicos de sedimentos e o corte de 50 mil metros cúbicos de vegetação e entulho depositado nas margens.

Ricardo Borsari, Superintendente do DAEE, destaca que “o trabalho é importante para garantir a capacidade de escoamento do rio e minimizar o risco de extravasamento e inundações em bairros como Parque Edu Chaves, Vila Flora, Jardim Cabuçu e Jardim Gonçalves”.



Adicione esta página aos seus favoritos