DAEE integra o CICCR


O Superintendente do DAEE, Ricardo Borsari, e o Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Benedito Braga, participaram na manhã de hoje da apresentação do “Plano Chuvas de Verão” da Prefeitura Municipal de São Paulo, na sede do CICCR (Centro Integrado de Comando e Controle Regional). O evento contou com a participação do Prefeito João Dória, do Secretário Estadual de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho; da Chefe da Casa Militar, Coronel PM Helena dos Santos Reis; dos Secretários Municipal de Serviços e Obras, Marcos Penido; e Segurança Urbana, José Roberto Rodrigues de Oliveira.



Ricardo Borsari, Superintendente do DAEE apresenta as ações do DAEE para combate às inundações na cidade de São Paulo



O CICCR está instalado no bairro da Luz e conta com a participação de técnicos de três Secretarias Estaduais, 11 Secretarias Municipais e de vários órgãos como
DAEE, Sabesp, Defesa Civil, CDHU, Defesa Civil, Bombeiros, Polícia Militar, CPTM, Metrô, CET, DSV, CGE, AES Eletropaulo, Cruz Vermelha.

O DAEE participa com uma equipe da Sala de Situação, que recebe imagens em tempo real do Radar Meteorológico
instalado no Reservatório de Ponte Nova, em Salesópolis; e de 116 postos pluviométricos e 165 fluviométricos na Região Metropolitana de São Paulo. A concentração de técnicos em um mesmo local permite agilizar a troca e interpretação de informações entre os vários órgãos e agir com antecedência e, assim, minimizar os efeitos negativos em caso de fortes chuvas sobre a cidade de São Paulo, como inundações, alagamentos e escorregamento de encostas, e maximizar os benefícios para a população.

Na oportunidade, o Superintendente Ricardo Borsari, apresentou uma série de ações que vem sendo realizadas pelo DAEE para minimizar o risco de inundações na cidade de São Paulo.


AÇÕES DO DAEE CONTRA INUNDAÇÕES NA CIDADE DE SÃO PAULO

O Governo do Estado realiza, através do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), uma série de ações que contribuem para minimizar o risco de enchentes na cidade de São Paulo.

 

  • DESASSOREAMENTO DO RIO TIETÊ 2017

 

O DAEE investiu R$ 130 milhões no trabalho de desassoreamento de 120 quilômetros do rio Tietê, no trecho entre a Barragem Edgard de Souza, em Santana de Parnaíba, até o córrego Ipiranga, em Mogi das Cruzes. As máquinas removeram este ano um total de 758,3 mil metros cúbicos de sedimentos depositados no fundo do rio, que dificultam o escoamento das águas. O trabalho beneficia os municípios de São Paulo, Osasco, Barueri, Carapicuíba e Santana de Parnaíba, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Poá, Suzano e Mogi das Cruzes.
 

  • OUTROS CURSOS D’ÁGUA (Com impacto na cidade de São Paulo)

Rio Cabuçu de Cima (divisa São Paulo/Guarulhos)

·         Volume desassoreado em 2017 (até o mês de outubro) – 18,9 mil m³

·         Valor total de contrato R$ 1,5 milhão

·         Extensão -5,0 Km

 

Foz dos Córregos Jacu, Cruzeiro do Sul, Itaim e Ribeirão Lajeado

·         Volume desassoreado em 2017 (até o mês de outubro) – 28,5 mil m³

·         Valor total de contrato R$ 3 milhões

  • LIMPEZA PISCINÕES (Com impacto na cidade de São Paulo)


DAEE está investindo R$ 41 milhões no trabalho de limpeza, manutenção e operação de 25 piscinões localizados na Região Metropolitana de São Paulo. O conjunto inclui as bacias do Alto Tamanduateí, Córrego Pirajuçara e Ribeirão Vermelho.

O trabalho inclui a remoção de 210 mil metros cúbicos de sedimentos depositados no fundo dos piscinões; manutenção de bombas e equipamentos eletromecânicos, com substituição de 8 bombas danificadas; remoção de lixo nas grades de entrada e saída dos piscinões; capina de mato na área dos reservatórios e serviço de vigilância e operação de bombas e comportas.

 

PISCINÕES BENEFICIADOS

 

 

 

MUNICÍPIO

PISCINÃO

CURSO D’ÁGUA

01

Mauá

Paço Municipal

Córrego Taboão

02

Mauá

Petrobras

Rio Tamanduateí

03

Mauá

Corumbé

Córrego Corumbé

04

Mauá

Jd. Sonia Maria

Córrego Oratório

05

Diadema

Mercedes Benz

Ribeirão dos Couros

06

Diadema

Piraporinha/Casa Grande

Ribeirão dos Couros

07

Diadema

Ecovias Imigrantes

Ribeirão Capela

08

S. Bernardo do Campo

Vila Rosa

Ribeirão Couros

09

S. Bernardo do Campo

Volks Demarchi

Ribeirão Meninos

10

S. Bernardo do Campo

Praça dos Bombeiros

Córrego Rotary

11

S. Bernardo do Campo

Chrysler

Córrego Chrysler

12

S. Bernardo do Campo

Mercedes Paulicéia

Ribeirão Couros

13

S. Bernardo do Campo

Canarinho

Córrego Saracantan

14

S. Bernardo do Campo

Taboão

Córrego Taboão

15

S. Bernardo do Campo

Ford Fábrica

Córrego Taboão

16

S. Bernardo do Campo

Ford/Av.Taboão

Ribeirão Couros

17

S. Bernardo do Campo

Capitão Casa

Córrego Casa Grande

18

S.Caetano do Sul

São Caetano

Ribeirão Meninos

19

Santo André

Faculdade de Medicina

Ribeirão Meninos

20

São Paulo

Olaria

Córrego Olaria

21

Embu das Artes

Nova República

Córrego Pirajuçara

22

Taboão da Serra

Parque Pinheiros

Córrego Joaquim Cachoeira

23

Taboão da Serra

Portuguesinha

Córrego Poá

24

Osasco

Rochdalle

Ribeirão Vermelho

25

Osasco

Bonança

Córrego Bonança

 

  • CANAL DE CIRCUNVALAÇÃO DA MARGEM DIREITA DO TIETÊ (PARQUE ECÓLÓGICO DO TIETÊ)

·         CONSTRUÇÃO DO PISCINÃO CC-01
LOCALIZAÇÃO - entre a foz do Ribeirão dos Cubas e o Córrego dos Japoneses,
ÁREA - 165 mil metros quadrados
CAPACIDADE - 415 mil metros cúbicos de águas das chuvas

  • ·         CANALIZAÇÃO DE 4 km trecho entre a Barragem da Penha e o Ribeirão dos Cubas, em Guarulhos

 

·         INVESTIMENTO - R$ 67,4 milhões  ( TRABALHO EM ANDAMENTO)

 

  • PÔLDERES NO RIO TIETÊ – CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

Os pôlderes são estruturas hidráulicas artificiais para controle de enchentes em pontos baixos, próximos a rios, áreas ribeirinhas em geral e o mar. O pôlder dispõe de um sistema composto por um dique (muro de contenção), reservatório, dutos e bombas. Quando ocorrem chuvas de grande intensidade, especialmente no verão, os diques evitam que o rio transborde para as Marginais. O sistema de galerias de águas pluviais local direcionam as águas da chuva para um pequeno reservatório (menor que um piscinão). Nele, a água é armazenada e lançada de volta ao rio, após o período de pico de vazão

 

PONTE VILA MARIA MARGEM DIREITA

·         Capacidade – 2,7 mil metros cúbicos

·         Bombas – 3 x 400 litros/segundo

·         Dique próximo ao rio – 2.150 metros

·         Investimento - R$ 15,6 milhões

·         INAUGURADO EM 6/MARÇO/2014

 

PONTE ARICANDUVA MARGEM DIREITA

·         Capacidade – 2,7 mil metros cúbicos

·         Bombas – 3 x 400 litros/segundo

·         Dique próximo ao rio - 3.550 metros

·         Investimento - R$ 17,6 milhões

·         INAUGURADO EM 26/DEZ/2014

 

PONTE VILA GUILHERME MARGEM ESQUERDA

·         Capacidade – 4,7 mil metros cúbicos

·         Bombas – 4 x 400 litros/segundo

·         Dique próximo ao rio - 442 metros

·         Investimento - R$ 9,7 milhões

·         INAUGURADO EM 21/SET/2015

 

PONTE VILA MARIA MARGEM ESQUERDA

·         Capacidade – 2,4 mil metros cúbicos

·         Bombas – 3 x 400 litros/segundo

·         Dique próximo ao rio – 1 mil metros

·         Investimento - R$ 13 milhões

·         INAUGURADO EM 21/SET/2015

 

PONTE LIMÃO MARGEM DIREITA

·         Capacidade – 2,5 mil metros cúbicos

·         Bombas – 3 x 400 litros/segundo

·         Dique próximo ao rio – 200 metros

·         Investimento - R$ 6,8 milhões

·         INAUGURADO EM 28/NOV/2015

 

PONTE LIMÃO MARGEM DIREITA

·         Capacidade – 2,7 mil metros cúbicos

·         Bombas – 4 x 400 litros/segundo

·         Dique próximo ao rio – 785 metros

·         Investimento - R$ 6,8 milhões

·         INAUGURADO EM 28/NOV/2015

 

 

  • SALA DE SITUAÇÃO

O DAEE mantém em sua sede, na rua Boa Vista, 170 – 11º andar, a Sala de Situação que recebe dados em tempo real do Radar Meteorológico instalado no Reservatório de Ponte Nova, em Salesópolis; e de 116 postos pluviométricos e 165 fluviométricos na Região Metropolitana de São Paulo.

A sala acompanha em tempo real radares e redes telemétricas de outros órgãos, como Simepar, Cemaden, Inemet, CGE e outros; e integra informações de outras instituições do Estado, como Sabesp, Emae e Cesp

Um modelo matemático de previsão permite visualizar, com até 2 horas de antecedência, situações de extravasamento de rios e córregos nas bacias do Alto Tietê (Região Metropolitana de São Paulo) e do rio Piracicaba (Região Metropolitana de Campinas).

  • DOAÇÃO DE DUAS BOMBAS

A Prefeitura Regional de São Miguel Paulista conta com duas bombas de água que foram doadas pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), órgão ligado ao Governo Estadual. Os equipamentos irão auxiliar o escoamento da água nos casos de alagamentos, principalmente no Jardim Helena e na Vila Itaim.

  • PISCINÃO GUAMIRANGA
     

O Governo do Estado de São Paulo inaugurou dia 1º de fevereiro o piscinão Guamiranga, na Vila Prudente, que tem por objetivo contribuir para minimizar o risco de inundações no trecho a jusante, especialmente nos bairros da Vila Prudente e Mooca, com reflexos em todos os bairros abaixo, até o centro da cidade.

Este é o maior piscinão da cidade de São Paulo. Localizado ao lado do rio Tamanduateí, entre a avenida Dr. Francisco Mesquita, rua Patriarca, Viaduto Grande São Paulo e o início da rua Guamiranga, este é o maior piscinão da cidade de São Paulo, com capacidade para acumular 850 mil metros cúbicos de água das chuvas.

As obras foram realizadas pelo DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), tiveram início em dezembro de 2012 e representaram um investimento de R$ 160 milhões.

RECUPERAÇÃO DA ÁREA - O piscinão foi construído em uma área de propriedade da SABESP, que abrigou um parque industrial na década de 50 e apresentava alto índice de contaminação por metano e metais pesados. O trabalho incluiu monitoramento de toda a área, controle de águas superficiais e subterrâneas (lençóis freáticos), implantação de postos de monitoramento de emissão de gases e análise do material que foi removido para aterros licenciados pela Cetesb.

DETALHES TÉCNICOS

·         ÁREA - 70 mil metros quadrados

·         PROFUNDIDADE - até 22 metros

·         CAPACIDADE 850 mil metros cúbicos

·         TRÊS células de captação, reservação e escoamento de água, com túnel de 103,80 metros que interliga as áreas 1 e 2

·         QUATRO comportas e dois “stop logs” laterais

·         SEIS bombas de recalque com capacidade cada para 850 litros por segundo

·         VOLUME DE ESCAVAÇÃO – 875 mil metros cúbicos

·         VOLUME DE MATERIAL CONTAMINADO REMOVIDO – 138,3 mil metros cúbicos

·         POPULAÇÃO BENEFICIADA - 1 milhão

 

  • PÔLDER DA VILA ITAIM

O DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) está realizando as desapropriações de 47 imóveis, com 130 construções, em uma área total de 72,7 mil metros quadrados, para construção do pôlder da Vila Itaim. As ações de desapropriação estão tramitando no Poder Judiciário - que já deferiu 39 imissões na posse.

As 130 famílias que serão removidas já foram cadastradas pela SEHAB (Secretaria Municipal de Habitação) e receberão auxílio moradia de R$ 700,00/mês (R$ 400,00 da Prefeitura e R$ 300,00 do CDHU) até que as obras para o reassentamento sejam concluídas pelo Município.

O prazo para reintegração de posse é 05 de dezembro – quando a área deverá ser totalmente desocupada e as obras serão iniciadas.

Os ocupantes da área que em desapropriação foram informados sobre a obra por diversas reuniões na comunidade e panfletos. Além disso, recebem assistência social pela Supervisão de Habitação da Prefeitura Regional de São Miguel, que faz plantões de atendimento para tirar dúvidas e fazer agendamento de transporte para as mudanças.

A construção do pôlder é uma iniciativa conjunta do Governo do Estado e Prefeitura de São Paulo, por meio de convênio que conta com a participação do DAEE, DERSA, SMSO, SEHAB e SMVA. O objetivo da obra é minimizar o risco de inundações no bairro, beneficiando mais de 10 mil moradores da região.

O Governo do Estado vai investir R$ 96,4 milhões na obra, sendo R$ 58,4 milhões na construção do pôlder e R$ 38 milhões nas desapropriações. O DAEE já realizou a licitação e contratação da obra. A obra tem previsão de 16 meses para ser concluída.

 

A OBRA

O pôlder da Vila Itaim terá um dique maciço em aterro compactado em seção trapeizodal, com 1,7 mil metros de extensão, 20 metros de largura de base e 5 metros de largura na crista (parte de cima do muro). O maciço servirá de base para a implantação da Via Parque e uma ciclovia com 3 metros de largura, ligando o Parque Itaim Biacica a outras unidades do Parque Várzeas do Tietê. Esse dique será complementado por outros dois de concreto, com extensão total de 833 metros, ao longo dos córregos Itaim e Tijuco Preto.

O projeto do pôlder da Vila Itaim prevê também a construção de um canal de circunvalação no interior do dique, com função de drenar a água das chuvas para um reservatório de acumulação, com capacidade para 19 mil metros cúbicos, dotado de um conjunto de cinco bombas com capacidade para bombear 400 litros de água por segundo cada, esvaziando o reservatório em poucos minutos.
 



Adicione esta página aos seus favoritos