Sistema Produtor Alto Tietê



OBJETIVOS

Dentre os objetivos dos reservatórios do SPAT (Sistema Produtor Alto Tietê) destaca-se o atendimento à demanda de água para abastecimento público, industrial e dos produtores agrícolas do chamado cinturão verde de Mogi das Cruzes. Além disso, o monitoramento e a regularização das vazões dos rios no qual estão implantados propicia a atenuação dos efeitos das vazões de pico nos períodos chuvosos de maior magnitude.

O SPAT (Sistema Produtor Alto Tietê) disponibiliza cerca de 15,0 m³/s de água para a Região Metropolitana de São Paulo abastecendo uma população superior à 4,0 milhões de habitantes, particularmente no Subsistema Leste da SABESP, que responde pelos municípios de Suzano, Mogi das Cruzes, Ferraz de Vasconcelos, Poá, Itaquaquecetuba, Arujá, e bairros da região leste da Capital, além de uma parcela do município de Guarulhos.

RESERVATÓRIOS

O SPAT é composto de 5 reservatórios: Ponte Nova no rio Tietê, localizado na divisa dos municípios de Salesópolis e Biritiba Mirim; Jundiaí, no rio Jundiaí, em Mogi das Cruzes; Taiaçupeba, no rio Taiaçupeba, na divisa de Mogi das Cruzes e Suzano; Biritiba, no rio Biritiba, na divisa dos municípios de Biritiba Mirim e Mogi das Cruzes; e Paraitinga no rio Paraitinga, em Salesópolis.

ABASTECIMENTO PÚBLICO

A SABESP (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), por meio da sua unidade ETA-TAIAÇUPEBA (Estação de Tratamento de Água Taiaçupeba), capta 10,0 m3/s de água bruta no reservatório do rio Taiaçupeba, a fim de abastecer uma parte dos municípios da Região Metropolitana de São Paulo. Atualmente, a SABESP executa obras na ETA – Taiaçupeba com o objetivo de ampliar a sua capacidade de tratamento dos atuais 10,0 m³/s para cerca de 15,0 m3/s, ainda neste ano de 2011.

DESCRIÇÃO DO FLUXO DA ÁGUA SIMPLIFICADO

1. a partir da represa de PONTE NOVA, por meio de manobra no seu descarregador de fundo, a água é liberada para o rio Tietê e/ou;
2. a partir da represa do RIO PARAITINGA, é descarregada uma vazão controlada no rio Paraitinga, cuja foz fica no rio Tietê;
3. a partir de então, no rio Tietê, nas proximidades da foz do rio Biritiba, parte das águas são derivadas para o CANAL 1A, até a Elevatória EEAB;
4. na ELEVATÓRIA EEAB, por meio de 5 conjuntos moto-bomba com capacidade total de 10,0 m3/s, a água é recalcada em cerca de 22 metros ;
5. por meio de uma tubulação a água é aduzida para um túnel com 4,5 m de diâmetro e, a partir daí, sempre por gravidade, conduzida para a represa do rio Biritiba;
6. da represa do RIO BIRITIBA, por meio de sistema canal-túnel-canal a água é conduzida para a represa do rio Jundiaí;
7. da represa do RIO JUNDIAÍ, a água é transferida também por um sistema canal-túnel-canal para represa do rio Taiaçupeba,
8. finalmente, na represa do RIO TAIAÇUPEBA, a água é captada pela ETA (Estação de Tratamento de Água) da SABESP para tratamento e posterior distribuição aos sistemas interligados.

OPERAÇÃO DO SPAT

O sistema implantado pelo DAEE é administrado e operado em parceria com a SABESP e a BAT (Diretoria da Bacia do Alto Tietê e Baixada Santista), que também conta com o apoio do GTMH-SPAT (Grupo Técnico de Monitoramento Hidrológico do Sistema Produtor Alto Tietê). O intuito é garantir o abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo nos próximos anos, pois os sistemas produtores da SABESP, na Bacia do Alto Tietê, já estão operando próximo da sua capacidade limite em comparação com a demanda atual, estimada em cerca de 70m³/s, e cujo crescimento acelerado é originário do excessivo aumento do crescimento populacional da região na última década.

CARACTERÍSTICAS DOS RESERVATÓRIOS 
 
CARACTERÍSTICAS DAS REPRESASBARRAGEM
Ponte NovaParaitingaBiritibaJundiaíTaiaçupeba
N.A. máximo normal (m)769,94768,76757,54754,50747,21
Área de drenagem (km²)320184 75 116 224
Área inundada (km²)28,07 6,43 9,24 17,42 19,36
Volume útil (hm³)288,3 36,8 34,8 74,0 85,2
Vazão regularizada (m³/s)3,4 2,00 1,75 2,10 3,30