CRAS recebeu 616 filhotes entre a Primavera e o Verão





O CRAS (Centro de Recuperação de Animais Silvestres) do Parque Ecológico do Tietê, recebeu entre setembro e janeiro 616 filhotes. Esse número é mais expressivo nesses meses que contemplam as estações Primavera e verão, que é o período reprodutivo da maioria das espécies.

Esse total representa 58 espécies, entre elas gambá-de-orelha-preta, sendo a mais recebida, seguida por periquito-rico, corujinha-do-mato, sabiá-laranjeira e bem-te-vi. No caso dos gambás, comumente, as mães são atacadas por cães, resultando em filhotes órfãos; já as aves, sofrem com quedas de ninhos.



O cuidado com os filhotes é mais específico, devido às suas necessidades, que requer um cuidado especial da equipe de biólogos e veterinários que compõem a equipe do CRAS.

Localizado na Zona Leste da Capital, o Parque Ecológico do Tietê é administrado pelo DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) e preserva uma área de várzea de 14 milhões de metros quadrados.


O CRAS

Há mais de 32 anos, o CRAS recebe diversas espécies pelas mãos de profissionais ligados à Polícia Militar Ambiental, ao Corpo de Bombeiros e ao Centro de Controle de Zoonoses e IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Em alguns casos especiais, são entregues de forma voluntária por seus tutores, que os mantinham em cativeiro como bichos de estimação.

A unidade realiza um importante papel em prol do meio ambiente, pois trata de animais apreendidos ou resgatados pelos órgãos fiscalizadores. Inaugurado em 1986, o CRAS cuida de várias espécies, desde as mais comuns até às ameaçadas de extinção. Anualmente, recebe em média doze mil animais. Após a recepção, mamíferos, répteis e aves são identificados por espécie, sexo e procedência, recebem uma anilha ou microchip com seus dados, passam por uma avaliação de seu estado físico para obter o tratamento mais adequado. Depois dos tratamentos e recuperação, os animais que estão aptos para voltar à natureza, serão repatriados e soltos, já os que não tem mais como, são enviados à criadouros autorizados ou zoológicos. O núcleo atende animais silvestres tais como araras, papagaios, gavião, macacos, cobras, tartarugas e jabutis, jaguatiricas, além de muitos pássaros, entre outros.

Para atender essa demanda, o CRAS mantém uma equipe composta por veterinários, biólogos e tratadores e conta com uma estrutura com ambulatório e laboratório, viveiros, salas de internação, cirurgia e de necropsia, além de cozinha para o preparo da alimentação animal, atuando em uma área total de 600 mil metros quadrados.


COMO DENUNCIAR O TRÁFICO ILEGAL?

• IBAMA: (11) 3066-2633 ou Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
• Polícia Ambiental: 0800-55-51-90 ou Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
• Polícia Federal: (61) 311-80000 ou Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.